Brexit: perguntas e respostas

Oi pessoal, aqui vai um resumo do Brexit até o momento atual

O que é o Brexit?

A saída do Reino Unido da União Europeia.
Veja este post pra saber mais do Reino Unido.

O que é a União Europeia?

Bloco de 28 países (contando o Reino Unido) que se iniciou nos anos 1950 e se transformou em um mercado comum altamente integrado, caminhando para uma entidade supranacional (acima dos países) com leis comuns além da questão comercial, uma integração de fato. O Reino Unido entrou na UE em 1973, apesar de não aderir a temas importantes como a moeda única (euro) e o Acordo Schengen (livre circulação/residência/trabalho).

Por que o Brexit?

A queixa em geral é de que a UE restringe a liberdade econômica e mesmo nacional dos membros e impõe diversas obrigações, entre elas ajudar os membros em dificuldades financeiras e receber os refugiados da recente crise.

Em junho de 2016 um referendo a respeito da saída obteve vitória para os “brexiters”: foram aproximadamente 52% a favor, 48% contra.

Todas as unidades do Reino Unido votaram da mesma forma a favor de sair?

Não.
Na Inglaterra os votos a favor foram 53,4%

Na Escócia a votação foi de apenas 38% a favor.

No País de Gales a votação foi de 52,5% a favor.

Na Irlanda do Norte foi 44,2% a favor

O que está em jogo?

Sair da UE tem custos.

Além de uma indenização que pode chegar a R$190-200 milhões, fica em aberto o status do Reino Unido em relação ao bloco europeu. A saída implica em rever diversos acordos comerciais em que o Reino Unido, se sair, pode ser prejudicado.

Há também a questão das Irlandas. A Irlanda do Norte é parte do Reino Unido mas tem muitas relações econômicas com a república da Irlanda. Uma “fronteira dura” (sem qualquer tipo de privilégio, pode custar caro para a economia local da Irlanda do Norte, além de trazer transtornos para o cotidiano de uma população que é em grande parte um mesmo povo, apesar da fronteira. Há também a possibilidade do Reino Unido criar uma “fronteira especial” entre as Irlandas, para não prejudicar a Irlanda do Norte, mas isso significaria na verdade criar outra fronteira entre a Irlanda do Norte e o resto do Reino Unido, igualmente complexo.

Também é necessário definir o que fazer com os cidadãos britânicos que moram/trabalham na UE e os cidadãos da UE que moram/trabalham no Reino Unido.

Na prática, as economias são muito integradas e um rompimento sem algum acordo especial pode trazer graves consequências.

O Reino Unido já sentiu na economia alguns efeitos, algumas empresas estão se retirando do país pois seus mercados estão no continente.

A Escócia ameaça sair do Reino Unido caso o Brexit prossiga.

Para a UE, interessa que não haja saída, pois poderia incentivar outros movimentos de saída.

Como está a negociação?

Emperrada. O UE exige um posicionamento claro do Reino Unido mas os termos apresentados pela UE foram duros.

Recentemente o Parlamento britânico recusou a proposta de um novo referendo (que poderia terminar com o assunto e manter o Reino Unido na UE).

Uma saída sem acordo (“no deal”) significa rompimento total. Energia, produtos básicos, situação das pessoas dos dois lados, tudo isso pode ser afetado.

Qual é o prazo? O que falta decidir?

29 de março de 2019. Até lá é necessário decidir o que fazer e pode haver uma saída sem acordo. A UE pode aceitar prolongar o prazo, mas isso requer uma série de reuniões e votações entre os países membros. Nesta semana o governo britânico pediu que o prazo seja mudado para 30 de junho.

Na prática falta decidir quase tudo que é essencial, já que não há acordo nem dentro do Reino Unido, nem entre o Reino Unido e a UE. O governo britânico busca um acordo que seja o melhor possível, mas isso é visto por muitos na UE como um incentivo para outras separações. Internamente, o Parlamento discorda do governo em diversos pontos.

O tema permanece em aberto, acompanhe.