Na semana passada o Sudão passou por uma reviravolta: caiu uma ditadura de 30 anos.

O processo ainda está em andamento, faremos aqui um apanhado geral. A queda do governo de Omar Bashir se deu na madrugada dos dias 10 para 11 de abril.

O Sudão é um país africano que passou por diversas crises que envolvem questões étnicas e religiosas. Em 2011 o país foi dividido em Sudão e Sudão do Sul. Petróleo e diferenças étnicas e religiosas marcam a região.

Considerando o antigo Sudão unificado, o quadro era o seguinte:

  • o norte é majoritariamente árabe muçulmano.
  • o oeste, na região de Darfur (que continua sendo Sudão) é muçulmano mas de etnias não árabes.
  • o sul é de diversas etnias negras e cristãs ou de religiões locais, nativas.

Conflito Norte x Sul

Por décadas (anos 1980 a 2005-06) o norte o sul travaram uma sangrenta guerra civil que custou milhões de mortos, pautada por diferenças étnicas e religiosas: o sul não aceitava o domínio do norte. O conflito terminou sem vitória de nenhum lado, mas levou ao acordo de paz que dividiu o país.

A divisão criou um problema: o sul ficou com a maior parte do petróleo, mas a saída para o mar (exportação) pertence ao norte. Foi feito um acordo que não satisfez nenhuma das partes.

Conflito em Darfur

Paralelamente ao conflito Norte x Sul, surgiu a questão de Darfur. A região apresenta petróleo e alguma agricultura. Parte do conflito se explica também por questões climáticas. Até os anos 2000 era comum a migração de pastores árabes e seus rebanhos para Darfur, já que o norte ficava extremamente seco em parte do ano e Darfur apresentava algumas pastagens. As mudanças no clima limitaram a fertilidade das terras de Darfur e não foi mais possível manter esse sistema. O conflito passou então a opor agricultores de Darfur aos pastores do norte: atividades econômicas distintas e, para agravar, etnias distintas.

O governo armou milícias árabes que promoveram diversos massacres na região.

Como a região também tem petróleo, o governo buscava desocupar essas terras usadas para a agricultura para poder explorar petróleo.

No conflito houve diversos crimes classificados como crimes contra a humanidade, por parte do governo e suas milícias.

Conflito no Sul

Após a separação em relação ao norte, o Sudão do Sul passou a viver uma guerra civil interna, entre as duas maiores etnias, pelo controle do país e dos recursos.

Quem caiu na crise atual e por que?

O cenário soma fatores. Quem caiu foi Omar Bashir, acusado de crimes contra a humanidade pela guerra de Darfur.

Em primeiro lugar, o autoritarismo de Omar Bashir, desde 1989 no poder, detestado pela população do sul e Darfur e cada vez mais criticado pela parcela árabe da população, que antes o apoiava.

A crise foi acentuada pela divisão do país, já que parte da receita do petróleo foi perdida (a parte que hoje fica com o Sudão do Sul). Some-se a isso ainda a crise econômica desde 2008 e a queda dos preços do petróleo a partir de 2014 (veja esta vídeo aula).

Por fim, recentemente o desemprego e a alta no preço dos alimentos levaram a população às ruas.

Qual é o cenário atual?

A crise está em aberto. A pressão popular derrubou o governo, auxiliada pelos militares que apoiaram os manifestantes ao invés de reprimir as manifestações.

Nessa ação, os militares foram comandados pelo ex-ministro da defesa.

Assim que Omar Bashir caiu, foi declarado estado de emergência por 3 meses e os militares afirmaram que ficariam no poder por 2 anos, frustrando muitos dos manifestantes. Porém, no dia seguinte, 12 de abril, o novo governante renunciou pois os manifestantes mantiveram-se nas ruas com a intenção de acelerar a transição para a democracia. Representantes de vários setores foram chamados para dialogar e o processo está em aberto a partir daqui.