Fronteiras fortificadas: muros e cercas

Oi pessoal,

Hoje o tema são as fronteiras fortificadas, muros e cercas, que ainda dividem o mundo nos dias de hoje.

Em 2018 estão em discussão tanto a imigração para os EUA, quanto a questão das Coreias e o possível processo de paz. Outro tema recente e muito destacado na mídia foi a questão da imigração ilegal para a Europa, um fluxo que mistura refugiados e imigrantes e que também trouxe à tona a questão das fronteiras. Nesses casos, e outros, vemos a presença de barreiras físicas, muros e cercas que buscam impedir o trânsito de pessoas de um lado para o outro. Vamos a um breve panorama.

Fortificar fronteiras é uma prática antiga. O exemplo que sempre vem à mente é a Grande Muralha da China, já que, de fato, a muralha realmente é a maior obra defensiva já feita. Há outros exemplos, no entanto. Os romanos fortificaram muitas de suas fronteiras (limes), criando obras como a Muralha de Adriano nas ilhas britânicas, que inspirou inclusive o autor de Game of Thrones a conceber a grande muralha de gelo que se vê nos livros e na série. Os russos também desenvolveram fortificações ao longo de sua expansão, chamadas tcherta. Na ausência de uma linha fortificada contínua, muitos Estados optaram por sequências de fortificações em locais estratégicos, próximas o suficiente para se ajudarem em caso de ataque e também para que fosse possível monitorar os movimentos de grupos hostis ou de imigrantes e notificar a capital e as forças militares na retaguarda. Portugal, Holanda e França são exemplos.

Nos séculos XX e XXI não é diferente. A fronteira mais icônica do século talvez seja o Muro de Berlim, dado seu peso simbólico.

Mas há muitos outros muros e cercas ainda ativos e menos conhecidos.

Entre as duas Coreias há uma grande cerca que, neste sentido, repete a divisão que separava Berlim, já que a crise entre as Coreias é ainda um eco da Guerra Fria, um conflito político e militar que resultou em divisão do território.


Israel também ergue muros que dividem a população judaica e israelense dos palestinos. O Marrocos busca afirmar seu poder sobre o Saara Ocidental construindo também um muro que isola os independentistas da Frente Belisário, um grupo da etnia saraui que tenta criar um Estado autonômo. EUA e Europa levantaram para deter imigrantes, neste caso para deter imigrantes. No caso Europeu há tanto muros na fronteira como muros internos, separando inclusive em alguns casos grupos religiosos na ilha da Irlanda.

Em termos gerais é possível então fazer algumas divisões. Muros, por definição, separam…a questão é quem é separado ou por qual razão. Os muros da antiguidade eram basicamente defesas militares, o medo era o de um ataque armado, uma invasão. Além disso, serviam para canalizar o tráfego de pessoas e cargas para pontos específicos (portões) onde se podia cobrar impostos no caso das mercadorias ou até estabelecer mercados e pontos de troca na fronteira, sem que houvesse acesso ou mistura de populações.

Os muros atuais são basicamente para controle de migração. É o caso, por exemplo, do muro na fronteira entre México e EUA ou de alguns outros que existem hoje na Europa (Hungria/Sérvia, Grécia/Turquia, Espanha/Marrocos em Ceuta e Melilla, norte da África). Há muros feitos para impedir a saída de populações (e não a entrada), caso da cerca entre as Coreias e do Muro de Berlim. Por fim, há ainda os muros erguidos sob a alegação da defesa, caso do muro que Israel erguei em torno tanto da Cisjordânia quanto da Faixa de Gaza.

São muitos os muros do mundo e muitos os riscos que corre quem tenta passar por eles. Fiquem atentos, o tema pode ser cobrado assim, de forma não pontual e sim em conjunto.

Segue abaixo um mapa com alguns dos principais muros do mundo.


E para terminar, um vídeo sobre a cidade de Melilla, uma possessão espanhola no norte da África, um enclave europeu no Marrocos que tem uma das fronteiras mais fortificadas do mundo.

 

%d blogueiros gostam disto: