Futebol, história e geopolítica – o que cada seleção conta?

Oi pessoal,

Seleções de futebol são uma janela para o passado distante, recente ou até questões atuais.

Como?

Através das origens familiares dos jogadores.

Na Copa da Rússia vale destacar os seguintes times:

  • Portugal:jogadores com origens no Brasil, França, Alemanha, Angola, Ilha da Madeira e Cabo Verde.
  • Espanha:jogadores bascos, catalães, galegos, brasileiros e das Ilhas Canárias.
  • França:jogadores com origens na Rep. Dem. Congo, Camarões, Marrocos, Guadalupe, Angola, Argélia, Tunísia, Senegal, Mauritânia e Mali.
  • Alemanha:jogadores com origem em Serra Leoa, Turquia, Gana, Costa do Marfim, Tunísia, Polônia, Senegal,
  • Bélgica:jogadores com origem no Caribe francês, Congo, Rep. Dem. Congo, Kosovo, Mali, Marrocos.
  • Rússia:jogadores com origem na Ossétia do Norte (Cáucaso), Ucrânia (ex-URSS), Brasil e diversas regiões do interior russo incluindo áreas tão distantes quanto a Sibéria.
  • Suíça: jogadores com origem na Croácia, Bósnia, Albânia, Macedônia, Sérvia, Kosovo, Camarões, Costa do Marfim, Espanha, Nigéria.

Essas composições dizem muito sobre cada país. O passado colonial europeu muitas vezes se faz presente já que diversos jogares tem famílias originárias de ex-colônias ou são eles mesmos nascidos em ex-colônias.

A questão da imigração a partir de países que não foram colônias também pode aparecer, já que a Europa é o destino de muitos imigrantes e há também imigração interna entre as áreas mais pobres e mais ricas do continente europeu, as vezes causada por conflitos como a fragmentação da ex-Iugoslávianos anos 1990.

Por fim, em países onde há questões nacionalistas e separatistas também pode haver uma amostra na seleção.

Vemos, por exemplo, que Portugal tem tanto jogadores de ex-colônias quanto de países mais ricos, filhos de portugueses que foram buscar melhores condições ou descendentes de portugueses que foram para as colônias.

A Espanha, por outro lado, apresenta diferentes nacionalidades internas, reflexo do complicado e até hoje tenso processo de manutenção da unidade do país, destacando aí bascos e catalães. Há, também, ex-colônias representadas.

Já a França é fortemente marcada por sua presença no norte da África e na África Ocidental.

A Alemanha não foi um grande poder colonial mas Gana foi por algum tempo uma colônia. O que atrai estrangeiros para a Alemanha, em especial turcos, é a riqueza do país. Outro fato pouco lembrado é que a grande morte de homens alemães na Segunda Guerra fez com que o governo posteriormente abrisse muitas vagas para imigrantes, na busca de repor essa população, em especial nas camadas de trabalhadores. Foi assim que muitos turcos chegaram ao país.

A Bélgica segue um pouco o caminho alemão. O Congo foi sua colônia, de resto a atração é econômica.

A Rússia, time da casa, apresenta a sua diversidade cultural, com jogadores vindos do Cáucaso, diversas áreas do seu vasto interior e também de ex-repúblicas soviéticas.

Por fim, a Suíça apresenta um número grande de descendentes dos povos da ex-Iugoslávia, região que viveu uma sangrenta guerra civil por quase 10 anos nos anos 1990. É interessante notar que a idade de muitos dos jogadores de origem croata, bósnia, kosovar-albanesa e macedônia é justamente o período de tempo que se passou desde o conflito, são muitas vezes filhos de quem fugiu da guerra.

Não seria estranho, em mais vinte uma década e meia ou duas, começar a ver jogadores europeus de origem síria, por exemplo.
Gostou? Futebol também pode ser tema de prova. Já falamos disso aqui, aqui, aqui e aqui também.

Aqui vai um exemplo antigo (mas afinal, Copa é só a cada 4 anos).

Uff 2011 – A seleção alemã de futebol da Copa do Mundo de 2010 apresentou cinco atletas nascidos fora da Alemanha e seis filhos de imigrantes, num total de 23 jogadores. “É a verdadeira nação arco-íris”, estampou um jornal de Johannesburgo, brincando com a expressão utilizada pelo bispo Desmond Tutu para designar a África do Sul pós-apartheid. Para o sociólogo alemão Martin Curi, a inserção de estrangeiros, principalmente de turcos, na equipe alemã ocorre até com certo atraso. Mesut Ozil e Sedar Tasci são os primeiros turcos a jogarem uma Copa do Mundo pelo país, 40 anos após ser registrado o maior fluxo migratório da Turquia para a Alemanha.

Com relação à inserção de jogadores estrangeiros destacada no texto, conclui-se, adequadamente, que ela

a)representa a flexibilização do mercado de trabalho na União Europeia.

b)mostra a inexistência da xenofobia por parte da população nativa original.

c)dificulta os fluxos migratórios para o país mais desenvolvido da Europa.

d)expressa o caráter pluriétnico da sociedade alemã contemporânea.

e)reflete a falta de programas sociais para a juventude alemã desportiva.

Gabarito era D

%d blogueiros gostam disto: