Mais uma charge, dessa vez sobre o muro de Trump.

Uma das principais promessas de campanha de Trump, o muro na fronteira com o México tem servido como base para diversas críticas, questões e charges como essa.

Observe o desenho de Bob Englehart e Hartford Courant, o que podemos tirar dele?

Bob Englehart / Hartford Courant

A charge faz uma dupla alusão: ao muro propriamente dito e ao fato, irônico, de que os EUA sofrem diversos ataques digitais que muros físicos não impedem.

Podemos entender a charge de várias formas, tais como o foco estar no muro “errado” ou à ironia de que levantar muros físicos não garante a segurança do país.

Fica aqui um alerta também: já há cercas e muros na fronteira. Trump quer/propôs um muro maior, mais alto e reforçado. Ou seja: a idiea não é nova nem inexistente, a dimensão sim é nova.

 

Outro ponto: muitos eleitores agora exigem de Trump a construção do muro. Caso fracasse, sua popularidade entre seus eleitores poderá ser abalada. Não é raro, quando o presidente fala em público, vermos faixas em que se lê “Finish the wall” em tom imperativo. Trump mobilizou muita gente com esta ideia. Caso não cumpra, poderá ter sua popularidade abalada em seu próprio meio, seu reduto.

Para finalizar, dá uma olhada nesse outro post aqui, que fala das várias fronteira fortificadas no mundo.

Até mais!